Excertos do capitulo 6 do livro “Raça Humana Ergue-te” de David Icke (Págs. 119 – 123)

Os Escudos Vermelhos

 

O nome “Rothschild” surgiu inicialmente no século XVIII, quando Mayer Amschel Bauer estabeleceu o seu império banqueiro em Frankfurt, na Alemanha e mudou o nome da família. É este o motivo pelo qual Frankfurt permanece ainda hoje uma importante cidade para os Illuminatti e também o motivo pelo qual foi escolhida para sede do Banco Central Europeu, quando este foi fundado, em 1998. Trata-se de uma criação dos Rothschild, assegurada por outra das suas criações, a União Europeia. Os Bauers eram uma família conhecida pelas suas práticas satânicas, na Alemanha da Idade Média e os mais importantes Rothschild continuam hoje a ser mestres da magia negra. O pai de Mayer Amschel, Moses Amschel Bauer, era um emprestador de dinheiro e proprietário de uma casa de contabilidade. O nome “Rothschild” deriva do alemão, “rotes-schild”, ou “escudo vermelho”. Isso referia-se ao hexagrama vermelho da Casa de Bauer/Rothschild, em Frankfurt, que é mais conhecido como “estrela de David”. Apesar daquilo que a maior parte das pessoas acreditam, este não é um símbolo exclusivo dos judeus e não foi usado nesse contexto, até que os Rothschild o assumiram para si próprios. O hexagrama é um símbolo esotérico que remonta à antiguidade e hoje é exibido na bandeira de Israel, porque esta terra é dos Rothschild (figura 39). Mayer Amschel Rothschild e os seus cinco filhos estabeleceram bancos em Frankfurt, Londres, Paris, Viena e Nápoles. Ele escolheu as esposas para os seus filhos, devido aos contactos de negócios que isso iria trazer à família e queria que os seus descendentes casassem com primos, sempre que possível, para manter a linhagem sanguínea “pura”. Ele teve 18 netos, 16 dos quais casaram com primos direitos. A história de outras linhagens sanguíneas, como os Habsburgs e as famílias “reais”, é semelhante e remonta ao mundo antigo. Todas as filhas Rothschild casaram com banqueiros – Worms, Sichel e Beyfus – e a família tornou-se incrivelmente rica e infame, por financiar os dois lados das guerras que criavam intencionalmente. Muitos nomes famosos da banca, como Lazard, Warburg, Worms, Sichel e Beyfus, tiveram origem na Frankfurt dominada pelos Rothschild.

Em 1790, Mayer Amschel Rothschild resumiu muito bem as técnicas de manipulação da família, ao dizer: “deixem-me emitir e controlar o dinheiro das nações e nada me importa quem me escreve as leis”. Algo de semelhante é atribuído ao seu filho, Nathan, que foi citado ao dizer: “Não quero saber qual é o fantoche que é colocado no trono de Inglaterra, para governar o Império sobre o qual o Sol nunca se põe… O homem que controlar o fornecimento de dinheiro britânico, controla o Império Britânico; e eu controlo o fornecimento de dinheiro britânico”. A táctica foi e é, colocar os governos e as empresas em enormes divida, para depois assumir o controlo. Os Rothschild assumiram o controlo da economia dos Estados Unidos logo desde o inicio, através do seu agente aristocrata no primeiro governo de George Washington, o Secretário do Tesouro, Alexander Hamilton. Foi Hamilton que estabeleceu o primeiro banco central, o Banco dos Estados Unidos, fundado em 1791 e fechado em 1811, quando o Congresso se recusou a mantê-lo. Foi criada e destruída outra versão, antes que os Rothschild conseguissem usar os seus agentes, as famílias Schiff e Warburg, para criar um banco central “americano” privado, a Reserva Federal, em 1913. A maior parte das pessoas acha que a Reserva Federal pertence ao governo dos Estados Unidos, mas é na realidade um cartel de bancos privados, controlado pelos Rothschild. Eles adoram bancos centrais, porque quando se centraliza, aumenta-se o poder de uns poucos sobre muitos. É por isso que eles procuram destruir toda a diversidade, onde quer que ela exista, para impor a uniformidade. As famílias Schiff e Rothschild eram como uma e partilhavam a mesma casa em Frankfurt, nos dias do fundador da dinastia, Mayer Amschel. Jacob Schiff dirigia a operação bancária da Kuhn, Loeb & Co nos Estados Unidos, uma operção controlada pelos Rothschild, ao passo que os Warburgs viriam mais tarde a ser os financiadores de Hitler. O Kuhn, Loeb & Co foi um dos principais financiadores da Revolução Russa Bolchevique e dos seus instigadores oficiais, os Sumérios-Cazares, Lenine e Trotsky (Cujo o nome real era Bronstein). A “revolução” paga pelos Rothschild impôs o credo político de outro Sumério-Cazar e agente Rothschild, chamado Karl Marx, tendo retirado os Czares russos do poder, por se terem recusado a alinhar nos jogos dos Rothschild. O jornal de Londres, The Times, relatou a 29 de Março de 1919:

Uma das características curiosas do movimento Bolchevique, é o número de elementos não russos, entre os seus líderes. Dos vinte ou trinta comissários, ou lideres, que fornecem o apoio fulcral para o movimento bolchevique, não menos de 75% eram Judeus.

Por outras palavras, agentes e peões dos Rothschild, sob o nome de “Sionistas”. O autor soviético dissidente, Aleksandr Solzhenitsin, escreveu e, Arquipélago Gulag, Volume Dois, que os Sionistas criaram e administraram o sistema de campos de concentração soviéticos, no qual morreram dezenas de milhões. Ele aponta os nomes de Aron Solts, Yakov Rappoport, Lazar Kogan, Matvei Berman, Genrikh Yagoda e Natftaly Frenkel – Todos Sionistas.

O Khun, Loeb & Co – por outras palavras, os Rothschild – foi a fonte de financiamento por detrás dos impérios industriais e financeiros dos Rockefeller, Harriman, J.P Morgan e Carnegie, entre muitos outros. Eles são apenas mais um nome para “Rothschild”. Jacob Schiff, na Kuhn, Loeb & Co, ordenou a criação do Conselho de Relações Internacionais, mesmo antes de morrer, em 1920 (como satélite americano da Távola Redonda Rothschild, na Inglaterra) e um ano mais tarde, o CRI foi criado por outros agentes Rothschild, Bernard Baruch e Coronel Edward Mandell House. Baruch e House eram os controladores do Presidente Woodrow Wilson, quando este decidiu a entrada dos EUA na Primeira Guerra Mundial, na qual os Rothschild Ingleses emprestaram dinheiro aos ingleses, os Rothschild franceses emprestaram dinheiro aos franceses e os Rothscild alemães emprestaram dinheiro aos alemães. Hum. E adivinha quem financiou os americanos? Schiff estabeleceu também o Avanço Nacional para a Associação de Pessoas de Cor (National Advancement for the Association of Colored People, NAACP), como parte da estratégia Rothschild para virar as diferentes raças e segmentos de sociedade uns contra os outros; dividir e conquistar. Howard Sachar, historiador judeu, escreveu no sei livro História dos Judeus na América: “em 1914, o professor Emeritus Joel Spingarn, da Universidade da Colômbia, tornou-se presidente da NAACP e recrutou para a sua equipa lideres judeus como Jacob Schiff, Jacob Billikopf e o Rabino Emil G. Hirsch e, só em 1920, é que a NAACP elegeu o seu primeiro presidente negro, James Weldon Johnson. Os Rothschild têm manipulado, criado e controlado organizações, alegadamente para o benefício da população negra e de outras minorias, mas na verdade pouco se importam. “Lideres dos direitos civis”, como Jesse Jackson e Al Sharpton, estão entre muitos agentes Rothschild neste campo, que inclui naturalmente, Barack Obama.

 

Dinheiro, dinheiro, dinheiro

A dinastia Rothschild é controlada pelos magos negros satânicos, que sabem como funciona a realidade e como manipular a energia humana e a sua percepção. Eles sabem que o dinheiro, como tudo o resto, é energia e estabeleceram o sistema financeiro para explorar o conhecimento. As pessoas falam de “fluxos de dinheiro”, mas eles são na verdade “fluxos de energia” e eles criaram uma estrutura energética que assegura que a energia do dinheiro flua na sua direcção. Chamamos a esta estrutura, o “sistema económico” ou a “economia e aparentemente consiste em bancos, casas de financiamento, mercados bolsistas e outras formas de comércio; mas todas estas entidades são apenas pontos de acupunctura nos meridianos do dinheiro, para assegurar que a riqueza do mundo flua para as famílias das linhagens sanguíneas. É por causa disso que os Rothschild não contam as suas riquezas em milhões ou biliões, mas em múltiplos de triliões e mais. Eles controlam mais dinheiro que todos os governos mundiais juntos, ao controlar a estrutura energética à qual chamamos sistema financeiro. Para os Rothschild, é como ver biliões de rios e canais a despejar água durante 24 horas por dia, num enorme lago, que se torna mais largo e mais profundo a cada minuto que passa. Por “água” entenda-se “dinheiro” e por “dinheiro” entenda-se “energia” – força vital. O dinheiro é uma forma de trocar energia. Eles criam dinheiro e este circula pela sociedade, de pessoa em pessoa, que deixa nas notas e moedas um pouco do seu campo energético, nos campos energéticos do dinheiro. Ao roubarem o nosso dinheiro, estão a roubar a nossa força vital. Já senti isso na pele. Se a pessoa A contribui com energia sob a forma de trabalho para a pessoa B, então a pessoa B pode equilibrar esta equação com trabalho, ou com uma reposição, sob a forma de dinheiro. Se esta troca não ocorre de forma justa e equilibrada, alguém está a distribuir mais energia sob a forma de dinheiro, do que aquela que recebe. O sistema económico foi especificamente concebido para que esta fosse a norma diária, nas trocas de dinheiro entre massas e as elites. Em primeiro lugar, a maior parte das pessoas recebe o mínimo possível que o empregador esteja disposto a pagar. A maior parte das pessoas lida com perdas de energia maiores do que os ganhos e isto é propositado. Contudo, isto é apenas o início. O rendimento básico – energia recebida por energia oferecida – é então sujeito a uma longa lista de vampirismos energéticos. Os mais óbvios são aqueles a que chamamos “impostos” e “juros”. Hoje em dia, onde quer que vamos, encontramos impostos; imposto sobre os rendimentos, impostos sobre as vendas, impostos municipais, impostos sobre as heranças, imposto sobre o automóvel, etc., etc., etc. E surgem cada vez mais impostos, todos os anos. Aqui fica uma lista de impostos em vigor nos EUA, que nem sequer é exaustiva, publicada em www.whatistaxed.com:

Impostos sobre rendimentos bancários; imposto sobre os rendimentos acumulados; imposto sobre o valor acrescido (inclui importações); imposto mínimo alternativo; imposto sobre o combustível de aviação; imposto sobre capitais ganhos; imposto de uso de carvão; imposto de consumo; imposto sobre o rendimento de empresas; licenças laborais; multas em tribunal (com uma grande variedade de punições); impostos alfandegários; imposto de posse de cães; imposto sobre produção energética; contribuições sociais; licenças de caça; licenças de pesca; licenças de mergulho; licença para produzir/vender bens alimentares; imposto sobre os combustíveis; impostos sobre a produção bruta; penalidades de IRS; imposto sobre os imóveis; taxas moderadoras hospitalares; licença de porte de arma; imposto de produção e exploração de petróleo; imposto de utilidade pública; imposto sobre as comissões; imposto sobre o aluguer de viaturas; portagens; estacionamentos; impostos de registos em cartório nacional; impostos sobre os direitos de emissão de rádio; imposto de telecomunicações; tarifa de apoio ao 911 – número de emergência nacional; multas de trânsito; multas de estacionamento; fianças estabelecidas em tribunal; imposto sobre o consumo de água; imposto sobre as compensações aos trabalhadores; etc.

Se juntarmos todas estas formas de impostos que pagamos num ano, subtraindo-os dos nossos rendimentos, é surpreendente a quantidade de energia que recebemos e que devolvemos ao sistema, só em impostos. Em última instancia, este dinheiro/energia acaba no “lago” dos Rothschild e é por isso que, apesar dos cada vez mais impostos, temos cada vez menor qualidade nos serviços que este dinheiro deveria estar a pagar. Adicione-se a isto os juros cobrados pelos bancos pelo “empréstimo” de dinheiro que não existe, ao qual chamamos crédito. Pode ver-se que a Humanidade está a ser sistematicamente espremida até ao tutano. E há outras coisas a serem espremidas – a escolha e o potencial. Quantas vezes é que as pessoas deixam de fazer aquilo que querem fazer ou de ir aonde querem ir, recorrendo à frase “não tenho dinheiro para isso” ou “agora não dá”? O nosso dinheiro faz parte do nosso campo energético, faz parte de “nós”, porque essa “propriedade” faz uma ligação vibracional entre o nosso campo energético e o campo energético do dinheiro. Dar e receber dinheiro é fazer “entrar” ou “sair” energia. Relê tudo o que está atrás e compreenderás que as massas estão a ser manipuladas para devolver muito mais energia do que aquela que estão a receber. Mesmo depois da troca original ter sido feita, sob a forma de salário ou pagamento, a maior parte daquilo que recebemos é devolvida através de impostos, juros ou da inflação artificialmente criada, que atinge todas as necessidades básicas. O sistema económico, encabeçado pela Casa de Rothschild, foi criado para vampirizar a força vital de toda a população mundial. Onde o público vê dinheiro, os Rothschild vêem energia, que, claro, é do que se trata. Para eles, o dinheiro é como uma corrente eléctrica, que se faz passar pelas pessoas e que no final do circuito vem com uma voltagem muito maior, do que aquela que tinha inicialmente, ou com “juros”.

 

 

Anúncios

Deixa um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s